17.1.07
Também quero uma mota
Tenho uma característica terrível… sou perfeitamente incapaz de reparar numa música à primeira. Então, para que eu repare nela, ela tem de aparecer várias vezes, tem de ser ouvida vezes e vezes, até que um dia, numa distracção minha, eu a encontro. E aí como duas desconhecidas olhamo-nos com curiosidade. Fecho os olhos. Gosto. Oiço-oiço até que a letra se faça sentir. E pronto. Continuo a ouvir até me cansar. Ou até nova descoberta.

Ontem (no meio do estudo, porque será…) pela primeira vez parei nesta.
Hoje soube que ganhou um Óscar. Na banda sonora do filme “Diários de motocicleta”.
Memória de gargalhada à desajeitada moto.
















AL OTRO LADO DEL RÍO
Composição: Jorge Drexler

Clavo mi remo en el agua
Llevo tu remo en el mío
Creo que he visto una luz al otro lado del río

El día le irá pudiendo poco a poco al frío
Creo que he visto una luz al otro lado del río

Sobre todo creo que no todo está perdido
Tanta lágrima, tanta lágrima y yo, soy un vaso vacío

Oigo una voz que me llama casi un suspiro
Rema, rema, rema-a Rema, rema, rema-a

En esta orilla del mundo lo que no es presa es baldío
Creo que he visto una luz al otro lado del río

Yo muy serio voy remando muy adentro sonrío
Creo que he visto una luz al otro lado del río

Sobre todo creo que no todo está perdido
Tanta lágrima, tanta lágrima y yo, soy un vaso vacío

Oigo una voz que me llama casi un suspiro
Rema, rema, rema-a Rema, rema, rema-a

Clavo mi remo en el agua
Llevo tu remo en el mío
Creo que he visto una luz al otro lado del río


podem procurar ouvi-la no site: themotorcyclediaries em "Traveling music".



HaloScan.com