18.4.05
O futuro da Igreja
Na Terra da Alegria escrevo sobre "O futuro da Igreja". Também hoje saiu no "Público" um texto de Teresa Martinho Toldy, teóloga e professora na Universidade Fernando Pessoa que resume bem o que aí digo. Chama-se "Uma Igreja para os nossos filhos" e reza assim:

«Mais importante do que saber quem será o próximo Papa, é saber o que será a Igreja no futuro. Que Igreja para os nossos filhos? E, em função dela, que Papa para os próximos tempos?»

Depois coloca duas questões principais sobre o que devia ser a Igreja do futuro: "uma Igreja mais humana" e "a Igreja das discípulas e dos discípulos de Jesus". Podia resumir-se usando o nome da encíclica "Mater et Magistra", dizendo que nos dias de hoje a Igreja devia procurar ser mais Mãe do que Mestra:

«Não ficaria mal à Igreja não se colocar tanto na posição de mestra, como na atitude de companheira de caminho de um mundo cuja história continua em aberto. (...) [Isso] implicaria então da parte da sua hierarquia e do Papa, a perda do medo de enfrentar e de fazer a experiência da existência quotidiana de todos os homens e mulheres deste mundo: o amor, a sexualidade, a paternidade e a maternidade, o trabalho, a intervenção sócio-política mas também as perplexidades, as angústias, as incertezas, que fazem do ser humano aquilo que o define como simultaneamente próximo de Deus e frágil como o barro.»



HaloScan.com