11.12.04
dia dos Direitos Humanos
"O nascimento de uma Civilização Global" é um livro de Robert Muller — o mais velho funcionário da Organização das Nações Unidas. Não o li, nem o consegui encontrar nas nossas livrarias. O que dele conheço é só um trecho, lido por Leonardo Boff aquando da sua vinda a Coimbra. Ontem, comemorou-se o 56º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Com um dia de atraso, aqui fica Robert Muller e a sua recriação da Criação — "A nova génese da Humanidade":

«E Deus viu que todas as nações da Terra, negras e brancas, pobres e ricas, do norte e do sul, do oriente e do ocidente, de todos os credos enviavam os seus emissários a um grande edifício de cristal, nas margens do rio do sol nascente, na ilha de Manhattan, na ONU, para juntos estudar, juntos pensar, juntos cuidarem do mundo e de todas as suas tribos.
E Deus disse: isso é bom.
E esse foi o primeiro dia da Nova Era da Terra.
E Deus viu que os soldados de paz separavam os combatentes de nações em guerra, que as diferenças eram resolvidas pela negociação e pela razão e não pelas armas, e que os líderes das nações se encontravam, trocavam ideias, uniam os seus corações, as suas mentes, as suas forças para benefício de toda a Humanidade.
E Deus disse: isso é bom.
E esse foi o segundo dia do Planeta da Paz.
E Deus viu que os seres humanos amavam a totalidade da Criação, as estrelas e o sol, o dia e a noite, o ar e os oceanos, a terra e as águas, os peixes e as aves, as flores e as plantas, chamando-os a todos irmãos e irmãs.
E Deus disse: isso é bom.
E esse foi o terceiro dia do Planeta da Felicidade.
E Deus viu que os seres humanos eliminavam a fome, a doença, a ignorância, o sofrimento em toda a Terra, proporcionando a cada pessoa humana uma vida decente, reduzindo a avidez, a força e a riqueza de uns poucos.
E Deus disse: isso é bom.
E esse foi o quarto dia do Planeta da Justiça.
E Deus viu que os seres humanos viviam em harmonia com o seu planeta e paz com os outros, gerindo os seus recursos com sabedoria, evitando o desperdício, refreando os excessos, substituindo o ódio pelo amor, a avidez pelo contentamento, a arrogância pela unidade, a suspeita pela compreensão.
E Deus disse: isso é bom.
E esse foi o quinto dia do Planeta do Ouro.
E Deus viu que as nações destruíam as suas armas, as suas bombas, os seus mísseis, os seus navios e aviões de guerra, desactivando as suas bases, desmobilizando os seus exércitos, mantendo apenas polícias para proteger os bons dos malévolos.
E Deus disse: isso é bom.
E esse foi o sexto dia do Planeta da Razão.
E Deus viu que os seres humanos restauravam Deus e a Pessoa Humana como princípio e fim de tudo, reduzindo instituições, crenças políticas, governos e todas as entidades humanas a simples servidores de Deus e dos Povos.
E Deus viu adoptar como lei suprema: “Amarás ao Deus do Universo com todo o teu coração, com toda a tua alma, com toda a tua mente, com todas as tuas forças e amarás os teus irmãos e irmãs humanos como amas a ti mesmo. Não há mandamento maior que este”.
E Deus disse: isso é muito bom.
E esse foi o sétimo dia do Planeta de Deus.»



HaloScan.com